Portugal: partidos políticos apresentam projetos de legalização da maconha para uso adulto

O ímpeto em direção à legalização do consumo adulto está ganhando ritmo em toda a Europa. Saiba mais com as informações da Prohibition Partners

Via Smoke Buddies

Durante um debate parlamentar na última quarta-feira (9), dois partidos políticos em Portugal, Bloco de Esquerda e Iniciativa Liberal, apresentaram cada um propostas para a legalização da cannabis para uso adulto.

O resultado do debate foi um acordo para que ambos os Projetos de Lei sejam enviados à Comissão de Saúde por um período de 60 dias, durante o qual podem ser feitas audiências públicas, apresentadas emendas e realizadas negociações antes de ocorrer a votação decisiva no Parlamento.

Um porta-voz do Parlamento de Portugal disse à Prohibition Partners que, devido ao momento do debate e ao período de 60 dias de negociações, o projeto de lei “muito provavelmente não irá para a votação final antes do final desta sessão legislativa”, com esta sessão programada para terminar no final de julho (a próxima começando em 15 de setembro de 2021).

O que as partes estão propondo?

Ambas as partes propõem essencialmente que o cultivo, distribuição, compra, posse e consumo de cannabis para uso adulto (planta ou derivados) sejam legalizadosO “autocultivo” para uso pessoal também seria permitido se qualquer projeto de lei fosse aprovado, com um máximo de cinco ou seis plantas permitidas por casa (Bloco de Esquerda propõe cinco plantas, Iniciativa Liberal propõe seis).

Ambos os projetos de lei debatidos no Parlamento na quarta-feira também recomendam que deve haver:

  • Um limite para a quantidade de cannabis que um indivíduo pode comprar de cada vez.
  • Restrições para o consumo (o consumo não seria permitido no trabalho, em locais fechados de frequência pública, em locais destinados a crianças, ou em transporte público, por exemplo).
  • Limitações impostas pelo governo à venda de produtos contendo altos níveis ou doses de THC.
  • Rotulagem robusta e adequada na embalagem do produto em relação ao conteúdo de THC ou CBD, efeitos do consumo e advertências de saúde.

A grande diferença entre os dois projetos de lei é que o Bloco de Esquerda está propondo o controle do Estado de todo o circuito de cultivo, produção e distribuição — incluindo o cadastro de todos os usuários. Em contraste, a Iniciativa Liberal propõe pouco ou nenhum controle do Estado sobre o cultivo, comércio ou consumo, mantendo-se em linha com a “cultura da liberdade” associada à cannabis, diz o partido da Iniciativa Liberal. O Bloco de Esquerda propõe a proibição de produtos sintéticos e mais produtos processados, como bebidas alcoólicas infundidas, enquanto a Iniciativa Liberal afirma que isso deveria ser permitido.

Outra diferença importante entre as duas propostas é em torno do preço dos produtos. Enquanto o partido Bloco de Esquerda propõe regulamentação governamental sobre preços de produtos, com um preço de venda máximo imposto com base nas médias do mercado ilícito para combater o comércio ilegal, a Iniciativa Liberal propõe uma abordagem de mercado livre em que os preços seriam autorregulados por vendedores e compradores.

Proibição vs Saúde Pública?

projeto de lei 859 do Bloco de Esquerda é crítico da política atual em Portugal e sugere que a proibição contínua representa um problema de saúde pública.

“A política proibicionista não é uma solução, na verdade ela é parte do problema e potencializa seu agravamento ao proteger o caráter clandestino do tráfico e comprometer a saúde pública. A legalização e posterior regulamentação promoverão o consumo consciente, livre e informado”, afirma o Projeto de Lei 859.

Da mesma forma, o Projeto de Lei 862 do partido Iniciativa Liberal afirma que o uso de cannabis em Portugal aumentou substancialmente na última década, mas o fato de não haver “proteção ao consumidor ou segurança de compra” é uma ameaça à saúde pública.

“Em Portugal, atualmente, a cannabis é amplamente distribuída e consumida, e [a posse e o consumo] já não tem consequências criminais. No entanto, a descriminalização ocorrida em Portugal em 2001, considerada exemplar no panorama mundial, não foi uma liberalização porque a cannabis continuou clandestina, e continuou a expor os consumidores ao submundo do crime e a produtos adulterados [não regulamentados]”, diz o projeto de lei 862.

Legalização do uso adulto na Europa

O ímpeto em direção à legalização do uso adulto está ganhando ritmo em toda a Europa. Outros países, como SuíçaPaíses Baixos, Luxemburgo ou Alemanha, poderiam potencialmente ultrapassar Portugal como o primeiro país europeu a legalizar a cannabis para adultos, já que a reforma política continua a se tornar uma prioridade para os partidos políticos em toda a Europa.

Conforme previsto no Relatório Europeu da Cannabis: 6ª Edição no início deste ano, Portugal pode incluir a liberalização da cannabis nos seus planos de recuperação econômica pós-pandêmicos. Embora ainda não se saiba se as últimas propostas em Portugal se inserem num plano mais vasto de recuperação econômica, a legalização constituirá sem dúvida um impulso bem-vindo à economia portuguesa.

As propostas de ambos os partidos portugueses fazem regularmente referência aos benefícios econômicos da legalização através de coisas como a tributação, ao mesmo tempo em que destacam as implicações sociais positivas de fazê-lo, como a redução da criminalidade e o empreendedorismo.

Se a legalização progredir, Portugal — junto com outros países europeus como Espanha, Países Baixos, Luxemburgo, Alemanha, Suíça e Malta — pode introduzir o acesso legal à cannabis para uso adulto, pelo menos em caráter experimental, até 2025.

De acordo com as previsões da Prohibition Partners até 2025, Portugal poderá ser o segundo maior mercado de cannabis para consumo adulto na Europa em termos de vendas, atrás dos Países Baixos, cujos ensaios com cannabis para uso adulto deverão estar operacionais em 2022 ou 2023, o mais tardar.

Leia mais: Comissão Especial da Câmara aprova PL sobre cannabis medicinal e industrial no Brasil