Afinal, por que a maconha nos faz ter larica?

Pode ficar tranquilo, você não é única pessoa que ataca uma barra de chocolate depois de ingerir maconha. Veja no texto da chef cannábica Lilica, a seguir, por que isso acontece e algumas estratégias para “enganar” a larica

Seja através dos comestíveis, fumando ou vaporizando a ganja, bater aquela larica é muito comum. Claro que, como já falei muitas vezes, cada pessoa reage de uma maneira à maconha, então sempre existem aqueles que não sentem essa fome toda. Mas sempre recebo vários questionamentos do motivo da larica e de como se livrar dela de forma saudável.

Então, nessa coluna de hoje eu quero me aprofundar nesse assunto e apresentar algumas alternativas para driblar a larica. Principalmente para quem quer consumir a maconha, mas sem acabar com tudo o que tem na geladeira e dispensa.

Veja também: Terpenos: o que são e como usá-los na culinária cannábica?

O aumento do apetite é de fato um dos efeitos mais comentados da maconha. E isso não é apenas especulação não, é embasado no famoso estudo de Charles T. Tart de 1971, “On Being Stoned”, onde 150 usuários de maconha foram observados e seus desejos por doces foram anotados por pesquisadores.

Mas o que exatamente está acontecendo com seu corpo — e seu apetite — quando você está chapado(a)?

Por que estou com fome?

Os dois componentes mais comuns da cannabis são canabidiol (CBD) e tetrahidrocanabinol (THC). O THC é o componente da cannabis que mais ativa as sensações do nosso cérebro, ou seja, essa molécula é a causa da larica. Os pesquisadores acreditam que há duas razões possíveis para isso.

Primeiro, por que os receptores com os quais o THC interage estão localizados em nosso sistema nervoso central, essencialmente no cérebro e nas partes do cérebro que estimulam o apetite. Ou seja, o THC dispara seu apetite, esteja você com fome ou não. Além disso, depois que você começa a comer chapado a sensação de prazer é muito maior do que se você não estivesse, por isso algumas vezes começar a comer a larica é um caminho sem volta hehehehe

Em segundo lugar, você também está sujeito à famosa “larica” por que a ganja pode ter um impacto sobre um hormônio secretado pelo estômago chamado grelina. Esse hormônio sinaliza ao cérebro que seu corpo está com fome e estimula o apetite. Então já sabe né, essa fome/desejo de comer não é coisa da sua cabeça, a ciência explica…

Quanto vou querer comer?

A quantidade de fome que você vai sentir é diretamente proporcional à quantidade de maconha que ingeriu e como a consumiu. Quando fumamos um baseado, o nível de THC no sangue é muito mais alto, então você acaba tendo mais larica do que se comesse um comestível cannábico. Como os alimentos precisam ser digeridos, qualquer alimento que já esteja em seu sistema vai diminuir a absorção do THC até que finalmente chegue ao cérebro.

Como falei na minha coluna, “Você sabe as principais diferenças entre fumar e comer maconha?”, a inalação pode levar de cinco a dez minutos para fazer efeito, enquanto a ingestão pode levar até duas horas e, em alguns casos, até mais.

Mas se você está procurando uma maneira de controlar sua larica, existe uma opção: controlar a quantidade de THC que você consome. Isso é bem fácil em países onde a erva é legalizada, já que nos dispensários regulamentados pelo estado os produtos são testados em laboratório e rotulados com a quantidade de CBD e THC que possuem.

A pessoa só precisa descobrir a quantidade de THC certa para seu metabolismo, ou seja, encontrar a equação ideal entre dosagem de THC para atingir os efeitos desejados sem desencadear uma larica desenfreada.

Só que essa não é a realidade brasileira, por isso precisamos descobrir alternativas de suprir a larica sem sobrecarregar nosso metabolismo com alimentos supercalóricos e pouco nutritivos.

Então, o que devo comer quando chegar a larica?

Como já falei, vários estudos já mostraram que a maconha tende a aumentar a sensação de prazer que os alimentos nos proporcionam.

O nosso cérebro adora gorduras, sais e açúcares com alto teor calórico. E liberamos dopamina em resposta a esses alimentos mais do que qualquer outra coisa. É por isso que quando chega a fome, você está sempre pegando aquela barra de chocolate, saco de batata frita ou fatia de pizza.

Idealmente, você deve comer frutas, legumes, vegetais e grãos. Mas, para satisfazer os desejos induzidos pela cannabis, tente escolher opções mais saudáveis ​​que ainda tenham açúcares ou sais, como barra de cereais, biscoitos de arroz ou granola. Você também pode assar as batatas ao invés de fritá-las.

Muitas vezes quando estamos chapados parece impossível parar de comer. Por isso é importante se precaver e deixar disponível algumas opções de laricas saudáveis. Assim, você evita cair na tentação de escolher alimentos mais calóricos toda hora.

Saiba mais: Como colocar maconha na alimentação?

Eu que já tenho uma carreira de mais de 22 anos consumindo maconha, elaborei minhas estratégias. Mas quis saber quais as artimanhas usadas pelo público, por isso fiz uma enquete no Instagram para validar algumas alternativas mais utilizadas pelos maconheiros e maconheiras desse Brasil.

Aqui vai uma lista das sugestões que mais apareceram:

  • Beber água
  • Sucos naturais de frutas
  • Refrigerantes sem açúcar
  • Café, chás e chimarrão para aquecer
  • Frutas frescas ou secas (uva passa, damasco…)
  • Iogurte natural
  • Castanhas e amêndoas
  • Granola
  • Palitinhos de legumes como cenoura, salsão, palmito
  • Pipoca salgada
  • Barras de proteínas
  • Fumar outro hehehe

Quem está em dieta restritiva de calorias deve controlar a quantidade ingerida, porque mesmo que sejam alternativas mais saudáveis, elas ainda contêm calorias. Por isso eu também recomendo que você adote a prática de uma atividade física para equilibrar a ingestão e consumo dessas calorias, mas também como forma de se distrair, retirar o foco da larica e se sentir bem.

Aliás, eu gosto de treinar quando estou chapada. Acho que é um ótimo momento para se exercitar, porque meu humor fica mais leve, a cabeça esvazia dos problemas e consigo me entusiasmar mais no treino.

Distrair-se também é uma estratégia para enganar a larica. Mas se você não quer se dedicar a um hobby ou não pode se exercitar, sair de casa e apenas fazer algo para se distrair também serve para dar uma tapeada na vontade de comer. Vá a uma livraria passar a tarde folheando livros, faça um passeio num parque local, fume um numa praça. Esforce-se para ficar longe da geladeira e armários de alguma forma, porque em casa ao lado deles é bem difícil não sucumbir.

No meu feed do Instagram tem mais informações sobre esse assunto, então se não me segue ainda, já aproveita e clica aqui.

Espero que tenha curtido a leitura e que as estratégias sirvam aí também. Até a próxima!

Texto e imagem de capa: Lilica.